Card image
Notícias
TCR Sul-Americano é apresentado e prevê corridas no Brasil

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 02/06/2020
  • Atualizado: 02/06/2020 às 16:27
  • Por: Leonardo Marson

A América do Sul terá um novo campeonato sul-americano a partir do ano que vem. Na manhã desta terça-feira (2), em coletiva virtual, foi apresentado o TCR Sul-Americano, categoria que possui diversos campeonatos ao redor do mundo, e que pretende iniciar suas atividades a partir de abril do ano que vem com corridas no Brasil e em mais três países.

TCR Sul-Americano
Carros do WTCR são os mesmos que serão usados no TCR Sul-Americano. (Foto: WTCR)

Participaram do evento virtual Marcello Lotti, presidente do WSC Group, representantes dos países envolvidos no campeonato, Maurício Slaviero, promotor da categoria no Brasil, além de pilotos com passagens pelo WTCR, como os argentinos Esteban Guerrieri e Nestor “Bebu” Girolami, e o brasileiro Augusto Farfus.

Você conhece o canal da RACING no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga a RACING também no Instagram!

Com 36 campeonatos pelo mundo entre competições sprint e de endurance, será a primeira vez que o TCR se aventurará em terras sul-americanas. A maior visibilidade está justamente no WTCR, o Mundial da categoria. Com 14 montadoras com carros homologados, já são mais de mil veículos com esta especificação disponíveis em todo o mundo.

LEIA MAIS:

F1 revela calendário europeu para 2020 com oito GPs

A ideia é de que, a partir de abril do ano que vem, sejam disputadas oito etapas, todas em sistema de rodada dupla. As corridas devem acontecer em Temuco, no Chile, Rivera, no Uruguai, Termas de Río Hondo, Villicum e Buenos Aires, na Argentina. A intenção é de correr no Brasil em Interlagos, Curitiba e um terceiro autódromo que, segundo Slaviero, pode ser realizada no Velopark, no Velo Città ou em Goiânia.

A ideia é que as equipes tenham apoio das fábricas, mas que não haja um time oficial. Cada equipe poderá ter entre um e quatro carros, sendo que a operação para isso custa em torno de US$ 130 mil por carro. Serão oferecidas 26 vagas no grid, sendo 24 destinadas às equipes brasileiras, argentinas, uruguaias e chilenas. As outras duas vagas serão oferecidas pela organização a times do restante da América do sul.

O carro deverá contar necessariamente com motor turbo 2.0 de 350 cv, baseados em modelos de rua, câmbio sequencial de seis marchas paddle shift, rodas de 18 polegadas e tração dianteira. Os fornecedores de combustível e de pneus deverão ser anunciados até setembro deste ano. De acordo com a organização, quatro modelos TCR já estão na América do Sul, sendo dois no Brasil e dois no Chile.

Os finais de semana de etapa contarão com dois dias de atividades. A programação conta com dois treinos livres de 30 minutos de duração, e classificação em três fases, como acontece na Fórmula 1, por exemplo. Serão duas corridas por etapa, sendo a primeira com a inversão de posição entre os dez melhores da classificação, e a segunda com grid levando em conta as posições da tomada de tempos.

Uma rodada de testes de pré-temporada está prevista para fevereiro do ano que vem.