Card image
Super carros
Superpneu Para Supercarros

4 Minutos de leitura

  • Publicado: 27/04/2016
  • Atualizado: 27/04/2016 às 15:04
  • Por: Racing

<p><img alt="P Zero foi lançado em 1986 para ser usado no WRC" height="467" src="/wp-content/uploads/uploads/img_2119_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>A  história do pneu Pirelli P Zero começou em 1986, quando equipou o Lancia Delta S4 na disputa do campeonato mundial de rali daquele ano. O componente havia sido desenvolvido especialmente para aquela exigente competição, muito popular na Europa. A fabricante italiana resolveu apostar no produto de altíssimo desempenho e, um ano depois, anunciou o lançamento comercial de um novo P Zero, cujo carro de estreia não poderia ser mais emblemático: a Ferrari F40.</p>

<p><strong>LEIA MAIS:<br />
<a href="http://www.motorpress.com.br/racing/super-carros/super-carros/video-ford-mostra-concepcao-do-gt/" target="_blank"><span style="color:#FF0000;">Vídeo: Ford mostra concepção do GT</span></a></strong></p>

<p>Entre outras características inéditas, os pneus de um mesmo jogo tinham tamanhos dianteiros e traseiros diferentes, altura correspondendo a 35% da largura e a pioneira designação ZR (hoje extinta), para velocidade máxima de 240 km/h. Não foi de se admirar que logo depois, em 1989, o P Zero, numa nova variação, tenha sido adotado como pneu oficial por várias equipes da F1.</p>

<p>Em 2011, a Pirelli tirou da Bridgestone a exclusividade no fornecimento de pneus para a categoria. Na temporada de F1 deste ano, o P Zero é oferecido em sete aplicações, de ultramacio a pneu de chuva. Cada uma traz em relevo a marca Pirelli, o nome P Zero e uma fita ao longo do perímetro, em cores que vão do roxo ao azul.</p>

<p>No entanto, uma data tão crucial quanto essas acima é o ano 2000, quando o P Zero passou a ser oferecido em sedãs e SUVs de alto luxo. Ao longo dos anos seguintes, o leque de modelos foi se abrindo: versões do pneu calçaram Lamborghini Aventador e McLaren 570GT, mas também Mercedes-Benz Classe C, Volvo V40 e até mesmo carros mais convencionais do grupo Volkswagen, como Golf, Scirocco e Seat Leon.</p>

<p><img alt="Pirelli P Zero equipa superesportivos como o Pagani" height="467" src="/wp-content/uploads/uploads/op_160402_pirelli_1339_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Agora, nos 30 anos do pneu, a Pirelli lança três novas configurações e chega ao total de 11 na gama completa. CARRO testou-as em Portugal, alternando a pista do Autódromo do Estoril para o novo P Zero Corsa, específico para supercarros (guiamos Audi R8, Lamborghini Huracan e Porsche 911), e estradas no litoral setentrional daquele país para os novos P Zero destinados a esportivos e sedãs e SUVs de luxo (com o BMW Série 7). À complexa engenharia da construção dos pneus e do desenho de suas bandas de rodagem – que, à primeira vista, parecem “simples”, sempre com quatro sulcos longitudinais – somam-se novas tecnologias, todas com foco principal no usuário comum (em vez do piloto). </p>

<p>Duas são sistemas de segurança: Seal Inside, autosselamento em caso de perfuração do pneu, e Run Flat, que age para sustentar as laterais internas e assegurar o controle do veículo mesmo com perda significativa de pressão. Outra, denominada PNCS (sigla em inglês para sistema de cancelamento de ruídos), visa a garantir rodagem urbana e rodoviária mais confortável, com um dispositivo de absorção sonora percorrendo toda a superfície interna do P Zero. Trata-se de item que claramente quer agradar aos milionários donos de sedãs de primeira linha.</p>

<p><img alt="Gama completa do P Zero possui 11 tipos de pneus" height="467" src="/wp-content/uploads/uploads/op_160402_pirelli_1401_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>A experimentação de carros equipados com o P Zero é ambivalente: como se trata de modelos que são o estado da arte em seus segmentos, é difícil isolar a contribuição dos pneus daquelas originárias de outras qualidades – como ajuste de suspensão, construção da carroceria e tecnologias eletrônicas de segurança e dirigibilidade. Mas saímos de cada um dos carros experimentados com a clara sensação de que, tendo dirigido o que a indústria automotiva mundial oferece de melhor, os pneus ali usados obrigatoriamente têm de ser os melhores também.</p>

<p>De acordo com executivos da Pirelli que estavam em Portugal, atualmente cerca de 60 carros trazem os novos pneus P Zero de série, e entre 15 e 20 serão atendidos em novas homologações. O plano é aproveitar o crescimento do segmento de veículos premium: segundo dados da fabricante, rodas de 17 polegadas ou maiores passarão a constituir 25% do mercado global em 2020.</p>

<p>Essa participação foi de 21% em 2015, 13% em 2010 e apenas 7% em 2000 – quando rodas menores ou iguais a 16 polegadas estavam em nove entre cada dez carros vendidos no planeta. Justamente o ano em que o P Zero migrou das pistas para sedãs e SUVs, lembra?              </p>

<p><strong>Pneu chega ao Brasil em outubro </strong></p>

<p>Carlos Alberto Costa, CEO da Caçula de Pneus, rede que importa a gama atual do pneu, esteve no lançamento no Estoril e prevê que os novos P Zero devem começar a ser vendidos no Brasil em outubro. A Caçula atua na Grande São Paulo, mas vai oferecer o pneu também por e-commerce, diretamente ao cliente final. “Acredito que a procura maior vai ser de donos de esportivos alemães”, afirma Costa, referindo-se a modelos como Mercedes-AMG, BMW M e Audi R e RS. Os preços, ainda indefinidos, não devem diferir muito dos US$ 1.000 (por pneu) do P Zero Trofeo, do catálogo anterior da Pirelli.</p>

<p><img alt="P Zero será oferecido no Brasil pela Caçula de Pneus" height="467" src="/wp-content/uploads/uploads/img_2086_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

Comentários