Card image
Super carros
Conheça o carro de rua concebido por Bruce McLaren

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 08/04/2020
  • Atualizado: 08/04/2020 às 13:12
  • Por: Leonardo Marson

Um carro com tudo o que um superesportivo atual tem, mas que foi produzido em 1969. Este é o M6GT, modelo desenvolvido por Bruce McLaren, fundador da marca de carros inglesa, e que é a gênese da linha atual da McLaren para carros de rua. O modelo, inicialmente criado para a disputa do Mundial de Marcas (equivalente ao FIA WEC), em 1964, ano de fundação da empresa.

McLaren
McLaren M6GT foi projetado para as pistas, mas se tornou um carro de rua. (Foto: McLaren)

Dois anos após a fundação, a McLaren estreou na Fórmula 1 e na Can-Am, campeonato de corridas de longa duração baseado nos Estados Unidos. Foi no torneio da América do Norte que, em 1967, os ingleses se tornaram dominantes com o M6, biposto com cockpit aberto que era equipado com motor Chevrolet V8 de 5,9 litros. Foi o chassi do M6 a base do M6GT, carro que a McLaren pretendia inscrever no Mundial de Marcas, em 1969.

Você conhece o canal da RACING no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga a RACING também no Instagram!

O M6GT tinha carroceria do tipo cupê fechado, e o motor seria o mesmo da Can-Am, mas Bruce McLaren, que venceu as 24 Horas de Le Mans com um Ford GT40 em 1966, optou por deixar aberta a possibilidade de instalar o motor Ford de 7 litros no modelo. A ideia de McLaren era vender 250 unidades do modelo por ano, fazendo com que os compradores escolherem o motor de preferência.

LEIA MAIS:
Mercedes-AMG GT4: novidades nesta estrela de sucesso das pistas

No segundo semestre de 1968, a FIA mudou o regulamento do Mundial de Marcas, com os esporte-protótipos passando a ter motores de até três litros. Modelos com motores acima dessa cilindrada precisariam ter pelo menos 25 unidades produzidas para receber homologação. Com quatro carros prontos, McLaren cancelou a participação no torneio, mas adaptou um dos modelos, na cor vermelha, para as ruas, apresentando-o em 1969.

McLaren
McLaren M6GT pilotado por Denis Hulme na Can-Am. (Foto: McLaren)

Externamente, o M6GT era igual ao carro que iria para a pista. O motor, um Chevrolet V8 com 5,7 litros, desenvolvia 370 HP, e levava o carro da inércia até os 100 km/h em apenas 4,2 segundos, alcançando de velocidade máxima 265 km/h. Bruce usou o modelo nas ruas por muitos meses, e passou a ter como objetivo torná-lo o carro de rua com aceleração mais rápida do mundo.

Um fato, porém, mudou o rumo da história. Em 2 de junho de 1970, Bruce se acidentou com um McLaren Can-Am em Goodwood, na Inglaterra, fazendo com que os novos donos da empresa, Teddy Mayer e Phil Kerr, voltassem o foco da empresa apenas para as corridas. Assim, o segundo carro esporte da marca, o McLaren F1, foi lançado apenas em 1990, quando Ron Dennis e Mansour Ojjeh eram os donos da fábrica.