Card image
Notícias
Francês morre dias após sofrer acidente em especial do Dakar

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 15/01/2021
  • Atualizado: 15/01/2021 às 14:09
  • Por: Leonardo Marson

O piloto Pierre Cherpin morreu nesta sexta-feira (15) em decorrência de lesões provocadas por um acidente durante o Rally Dakar. O francês, que disputava a prova com uma moto Husqvarna na classe Original, onde os competidores não contam com uma equipe de apoio, caiu na sétima especial, disputada no domingo passado entre Ha’il e Sakaka, na Arábia Saudita, e perdeu a vida nesta manhã.

Pierre Cherpin
Cherpin tinha 52 anos. (Foto: Marcelo Machado de Melo)

Cherpin se acidentou no quilômetro 178 da especial que abriu a segunda semana de provas. O piloto sofreu traumatismo craniano, fratura nas costelas e um colapso nos pulmões, sendo encaminhado em coma para um hospital em Sakaka. Depois, o competidor foi para Jedá, onde seria levado para Paris, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Você conhece o canal da RACING no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga a RACING também no Instagram!

Pierre Cherpin fazia sua quarta participação no Dakar. Anteriormente, o piloto disputou a prova em outras três oportunidades, sempre nas motos: 2009, 20212 e 2015. Em nota, a organização do evento lamentou a morte do piloto, que tinha 52 anos, e também era entusiasta das competições de vela.

LEIA MAIS:

Leclerc testa positivo para Covid-19 e se isola em Mônaco

Veja a nota emitida pelo Dakar sobre a morte de Pierre Cherpin:

Durante a transferência em um avião médico de Jedá para a França, Pierre Cherpin morreu por conta das lesões causadas pela queda no sétimo estágio, de Ha’il a Sakaka. O piloto caiu no km 178, por volta das 13h. Os médicos o encontraram inconsciente quando chegaram até ele com o helicóptero. Levado ao hospital em Sakaka, o boletim médico revelou um trauma severo na cabeça, com perda de consciência.

Operado com urgência por um neurocirurgião, ele foi mantido desde então em coma induzido, com a condição permanecendo estável nos últimos dias. Ele foi transferido de avião de Sakaka para o hospital de Jedá, de onde seria transferido para um hospital em Lille.

Este empresário e entusiasta da vela de 52 anos não tinha outras ambições que não viver uma aventura, sem realmente se preocupar com o pódio: ‘Sou um amador, não quero vencer, mas descobrir as paisagens que jamais teria a oportunidade de ver de outra maneira. Tudo é empolgante: pilotar a moto, viver a paixão, se conhecer’. Toda a caravana do Dakar gostaria de estender suas sinceras condolências à família, parentes e amigos dele.