Card image
MotoGP
Miller diz que não se incomodaria com eventual retorno à Pramac

3 Minutos de leitura

  • Publicado: 14/04/2022
  • Atualizado: 13/04/2022 às 20:00
  • Por: Willian Teixeira

Sem contrato assinado com a Ducati para a temporada 2023, o australiano Jack Miller vive um cenário de indefinição sobre o seu futuro na MotoGP, e começa a enfrentar a concorrência dos jovens Enea Bastianini e Jorge Martin pela vaga no time de fábrica da marca de Borgo Panigale.

Jack Miller, Ducati, Enea Bastianini, MotoGP
Miller liderou boa parte da prova em Austin, mas foi superado por Bastianini a cinco voltas do fim (Foto: Ducati)

O italiano da Gresini Racing é o atual líder da temporada, com duas vitórias em quatro corridas, enquanto o espanhol da Pramac Racing é sempre muito veloz e constantemente figura entre os candidatos à vitória, desempenho que credencia os dois a pleitearem uma vaga na equipe oficial da Ducati.

Porém, para Miller, um dos times satélites da Ducati, não o incomodaria. “Como podemos ver, todas as motos são boas. Sei que são o mesmo equipamento e não me aborrece, desde que eu esteja na MotoGP vivendo meu sonho. Isso é o principal para mim, ter a oportunidade de lutar por pódios e estar aqui com os meus fãs, isso é o principal”, comenta.

Você conhece o canal da RACING no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga a RACING também no Instagram e no Twitter!

O australiano falou sobre seu futuro na categoria após a corrida do último domingo, em Austin, quando ele havia conseguido seu primeiro pódio na temporada. Miller liderou boa parte da prova mas foi superado por Bastianini a cinco voltas do final. O australiano terminou em terceiro, atrás do vencedor, Enea Bastianini, e de Alex Rins, da Suzuki, que superou o piloto da Ducati na última volta.

Jack Miller, Ducati, pódio, MotoGP
Em Austin, Miller foi ao pódio pela primeira vez na temporada (Foto: Ducati)

LEIA MAIS:
Masia vence prova movimentada da Moto3 em Austin
Arbolino vê Vietti e Canet caírem e vence na Moto2 em Austin
Bastianini vence em Austin e reassume ponta do campeonato

Questionado sobre a importância de resultados como esse para garantir sua vaga na Ducati em 2023, ele responde: “Estou aqui para pilotar minha moto e fazer o melhor que posso, isso é tudo. Se eu conseguir um emprego na Ducati ano que vem, ótimo. Ficarei mais do que feliz em continuar aqui. Amo o grupo com o qual estou, mas estou focado apenas neste ano e em tentar fazer o meu melhor”.

Sétimo colocado na classificação do campeonato e a 30 pontos do líder Enea Bastianini, Miller admite que ainda é cedo para falar em 2023, pelo fato da temporada ainda ter 19 provas a serem realizadas. “É um campeonato longo e muitas coisas podem acontecer. Sou o décimo piloto a ir ao pódio em 2022 e estamos apenas na quarta corrida, isso já diz tudo. O campeonato está aberto, e o verdadeiro começará assim que retornarmos à Europa e seguirmos em frente”, finaliza.

A próxima oportunidade que Miller terá para tentar conquistar sua primeira vitória da temporada é dia 24 de abril, no GP de Portugal. em Portimão.

Jack Miller, MotoGP, Nicky Hayden,
Após o GP das Américas, Miller desfilou em Austin com bandeira em homenagem a Nicky Hayden (Foto: Ducati)

Comentários