Card image
Indy
Ferrari avalia entrada na Indy a partir de 2022

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 15/05/2020
  • Atualizado: 15/05/2020 às 0:49
  • Por: Leonardo Marson

Mattia Binotto, chefe da Ferrari, admitiu nesta quinta-feira (14) uma possibilidade de a equipe italiana abrir uma operação na Indy a partir de 2022. A afirmação acontece poucos dias depois de Mario Andretti, um dos mais importantes pilotos norte-americanos da história, pedir que o time considerasse uma entrada na categoria americana.

Ferrari
Mattia Binotto admitiu a possibilidade de a Ferrari ter um programa na Indy. (Foto: Ferrari)

O dirigente da Ferrari disse que a Indy se tornou uma opção para a equipe por conta do teto orçamentário que será adotado pela Fórmula 1. Desta forma, o atual contingente de funcionários para a categoria máxima do automobilismo mundial não poderá ser mantido, mas há o desejo da equipe de Maranello em manter estes funcionários, daí a intenção de entrar no campeonato americano.

Você conhece o canal da RACING no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga a RACING também no Instagram!

“A Ferrari sente muita responsabilidade em relação a seus funcionários. E queremos ter certeza de que para cada um deles haverá um espaço de trabalho no futuro. Por esse motivo, começamos a avaliar programas alternativos e confirmo que estamos analisando a Indy, que atualmente é uma categoria muito diferente da nossa, mas tem uma mudança de regulamentação prevista para 2022”, disse Binotto, em entrevista para a Sky Sports italiana.

LEIA MAIS:

Indy confirma nova data e St. Pete fecha temporada 2020
Sem público, Indy abre temporada com etapa no Texas em junho
Parte das equipes da Indy reiniciam trabalhos para temporada

“Também observamos o mundo das corridas de Endurance e outras categorias. Vamos tentar fazer a melhor escolha”, seguiu o dirigente do time de Maranello, antes de falar sobre a redução do teto de gastos na Fórmula 1. Binotto disse que a Ferrari trabalhava para reduzir o orçamento para US$ 175 milhões, e que o corte para US$ 145 milhões exigirá uma restruturação.

“Nas últimas semanas, conversamos muito sobre a redução do teto orçamentário para as equipes da F1, e agora chegamos a uma conclusão. O limite de US$ 175 milhões definido e votado será reduzido para US$ 145 milhões. Na Ferrari, estávamos nos estruturando com base no orçamento aprovado em 2019, e a redução adicional representa um desafio importante que inevitavelmente levará à revisão da equipe, da estrutura e da organização”, completou Binotto.

Desde 2009, a Dallara é a fornecedora única de chassis da Indy. Uma entrada da Ferrari estaria ligada a uma quebra de monopólio neste sentido. Esta foi uma das sugestões feitas por Mario Andretti na última semana.