Card image
Fórmula E
Günther vira líder no final e vence corrida 1 da Fórmula E em Nova York

3 Minutos de leitura

  • Publicado: 10/07/2021
  • Atualizado: 10/07/2021 às 18:42
  • Por: Leonardo Marson

Maximilian Günther venceu neste sábado (10) a primeira corrida do ePrix de Nova York, décima etapa da temporada 2021 da Fórmula E. O piloto da BMW Andretti se aproveitou de uma disputa que acabou em toque entre Nick Cassidy e Jean-Éric Vergne para tomar a liderança nos minutos finais e seguir para a vitória, a primeira no ano e a terceira na carreira.

Maximilian Günther
Maximilian Günther venceu pela primeira vez na temporada. (Foto: BMW)

A segunda posição ficou com Vergne, que batalhou pela vitória até as voltas finais, terminando 2s072 atrás de Günther. O piloto da Techeetah foi seguido por Lucas Di Grassi, que largou em sétimo e garantiu seu segundo pódio no ano com a Audi Sport. Cassidy, que liderou a maior parte da prova, fechou a prova em quarto, sendo seguido por Robin Frijns, seu companheiro de equipe Virgin.

Você conhece o canal da RACING no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga a RACING também no Instagram! e no Twitter
Acompanhe tudo o que rola no esporte a motor com o Boletim Racing

Sébastien Buemi fechou a corrida na sexta posição com o carro da Nissan e.dams, equipe que ainda viu Oliver Rowland ficar com a sétima colocação. Andre Lotterer, com um equipamento da Porsche, terminou em oitavo, logo à frente de Sam Bird, da Jaguar. O grupo dos dez melhores foi completado por René Rast, da Audi. Sérgio Sette Câmara foi o 18º com a Dragon/Penske.

LEIA MAIS:

Cassidy garante pole position da Fórmula E em Nova York
Buemi acerta volta no final e lidera TL2 da Fórmula E em Nova York
Frijns lidera treino encerrado por bandeira vermelha em Nova York
Fórmula E divulga calendário provisório para temporada 2022

O ePrix de Nova York terá mais uma corrida neste domingo (11), a partir das 14h30, com transmissão da TV Cultura e do Sportv.

Confira como foi a corrida

A primeira corrida do ePrix de Nova York começou com Nick Cassidy mantendo a primeira posição nos metros iniciais, sendo seguido por Jean-Éric Vergne e Sébastien Buemi, que ganhou duas posições no início da prova. Maximilian Günther avançou para quarto ao superar Alex Lynn. Lucas Di Grassi avançou para o sexto lugar, e Sérgio Sette Câmara caiu para o 16º lugar.

Logo na terceira volta, Sette Câmara passou a ser investigado por uso incorreto de mapa de aceleração, sendo punido com um drive through duas voltas depois. Outro que foi investigado e punido foi Oliver Turvey, por conta de pico de energia. O primeiro a acionar o modo ataque na corrida foi Lynn, que o fez na quinta volta da prova. Na passagem seguinte, Günther e Di Grassi também ganharam mais potência.

Vergne e Buemi passaram pela zona de acionamento do modo ataque na volta 7, enquanto Cassidy ganhou potência extra no giro seguinte, permitindo a aproximação de Vergne. Lynn, sem perder tempo, acionou o modo ataque pela segunda vez ainda na volta 9. O piloto da Mahindra passou por Pascal Wehrlein, mas foi abalroado pelo piloto da Porsche na volta 11, rodando e perdendo posições.

Di Grassi acionou o modo ataque pela segunda vez na volta 12 e, no giro seguinte, se aproveitou do acionamento da potência extra por Buemi para avançar ao quarto posto. Vergne e Günther ganharam mais força no motor na volta 14, e Cassidy, na 15, momento em que Mitch Evans apareceu parado na curva 1, causando um Safety Car Virtual na volta 17.

A bandeira verde veio no 18º giro, com os líderes mantendo suas posições. Apesar disso, Cassidy viu Vergne, Günther e Di Grassi se aproximarem, formando um pelotão. Lynn caiu para a nona posição, enquanto Jake Dennis ficou lento na pista após algumas voltas, abandonando a disputa na 24ª volta da prova em Nova York.

Cassidy mantinha a liderança da prova restando dez minutos para o final da corrida, mas muito pressionado por Vergne, Günther e Di Grassi. O brasileiro, enquanto isso, recebeu a informação que seu carro sofria de superaquecimento. Na 30ª volta, Vergne tentou a manobra para tomar a liderança, mas os dois se tocaram. Günther tomou a ponta, seguido por Vergne e Di Grassi.

Günther, com um pouco mais de energia, abriu pequena vantagem na liderança, enquanto o brasileiro da Audi pressionava o francês da Techeetah buscando a segunda posição. Cassidy, por sua vez, segurava os ataques de Frijns na parte final da prova. Com a bateria no final, Günther levou o carro até a vitória, sendo seguido por Vergne e Di Grassi.

Comentários