Card image
Formula 1
Mercedes produz respirador para ajudar infectados pelo coronavírus

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 30/03/2020
  • Atualizado: 30/03/2020 às 13:44
  • Por: Leonardo Marson

A Mercedes, através de seu time de unidade de potência, em conjunto com engenheiros da University College of Londres, desenvolveu um respirador para pessoas infectadas com o coronavírus fora das Unidades de Terapia Intensivas (UTIs). O aparelho, chamado Pressão Positiva Contínua de Vias Aéreas (CPAP, na sigla em inglês), já tem sido usados em países como China e Itália.

Mercedes
Mercedes trabalhou ao lado da University College of Londres na produção do respirador. (Foto: Mercedes)

De acordo com a instituição educacional, 50% das pessoas que utilizaram os CPAPs não precisaram usar respiradores mais invasivos. A Inglaterra tem sofrido com a falta de equipamentos para as pessoas que estão com coronavírus, e o projeto entre a University College of Londres e a Mercedes, apresentado na última quarta-feira, foi desenvolvido em apenas 100 horas.

Você conhece o canal da RACING no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga a RACING também no Instagram!

Tão logo foi produzido, o CPAP foi aprovado para uso pela Agência Reguladora de Remédios e Produtos de Cuidados com a Saúde. Um total de cem unidades serão usadas no hospital da universidade antes de o equipamento ser distribuído pelo país. O auxílio da Mercedes foi possível após o início do “Projeto Pitlane”, em que as equipes baseadas na Inglaterra passaram a buscar soluções para auxiliar os serviços de saúde.

LEIA MAIS:
Pietro Fittipaldi se torna piloto reserva da Haas

“A comunidade da F1 mostrou teve uma resposta impressionante à chamada por ajuda, se juntando no ‘Projeto Pitlane’ para ajudar coletivamente o país nesse momento de necessidade em diversos projetos. Estamos orgulhosos de termos colocados nossos recursos à disposição da UC para produzir o CPAP com a maior qualidade possível no menor tempo”, disse Andy Cowell, chefe da divisão de motores da Mercedes.

coronavírus
Aparelho desenvolvido pela Mercedes será usado na Inglaterra, na Itália e na China. (Foto: Mercedes)

“Dada a necessidade urgente, estamos muito felizes de conseguir reduzir um processo que levaria anos para apenas dias. Após o direcionamento, trabalhamos direto todos os dias, desmontando e analisando um aparelho. Usando simuladores de computador, melhoramos ainda mais o equipamento para criar uma versão ideal para produção em massa”, disse Tim Baker, professor de engenharia mecânica da UC.

“Nós tivemos o privilégio de contar com a capacidade da Fórmula 1 – uma colaboração que foi possível pela proximidade entre o departamento de Engenharia Mecânica da UC e a divisão de motores da Mercedes”, completou o docente da universidade localizada na capital inglesa.