Card image
Competições
Chilton diz que quase bateu em trator como Bianchi

1 Minuto de leitura

  • Publicado: 02/02/2016
  • Atualizado: 27/03/2019 às 9:58
  • Por: admin

<p><img alt="Depois do GP do Japão, Chilton ainda correu na Rússia, antes de migrar para o automobilismo americano" height="467" src="/wp-content/uploads/uploads/dcd1412oc03_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Confirmado pela <a href="http://www.motorpress.com.br/racing/f-indy/findy-f-indy/max-chilton-disputara-a-indy-com-a-ganassi/"><strong>Chip Ganassi para a temporada 2016 da IndyCar Series, Max Chilton</strong></a> revelou que quase sofreu um acidente parecido com o que tirou a vida de Jules Bianchi no Grande Prêmio do Japão de 2014. Em entrevista ao site britânico The Sun, o ex-piloto da Marussia e companheiro do francês disse que teve muita sorte por não ter batido também.</p>

<p><strong>LEIA MAIS:<br />
<a href="http://www.motorpress.com.br/racing/formula-1/f1-formula-1/red-bull-promove-scrum-entre-time-de-rugby-e-f1/">Red Bull promove scrum entre time de rugby e F1</a></strong></p>

<p>“Eu agradeço à minha estrela da sorte. Não fui eu. Tive uma escorregada semelhante à dele na volta anterior. Nosso carro era o pior do grid, com a menor quantidade de downforce. E eu tive um susto naquela mesma curva. Poderia ter sido qualquer um de nós. Eu ainda não assisti ao acidente dele. Não posso ver. Não vejo como um piloto consiga ver o que aconteceu”, disse Chilton.</p>

<p>“A Fórmula 1 é difícil, porque seu companheiro de equipe é o seu maior rival. Mas Jules me ensinou muito naqueles dois anos. Ele ia fazer grandes coisas. Ele era um piloto muito bom, e tenho muito orgulho dos momentos quando eu o venci”, seguiu Chilton, que disputou no ano passado parte da temporada da Indy Lights.</p>

<p>No GP do Japão de 2014, Bianchi perdeu o controle de seu carro e bateu contra o trator que retirava o carro de Adrian Sutil, que escapara momentos antes. O francês passou nove meses em coma, perdendo a vida em julho de 2015, em decorrência de danos neurológicos causados pelo acidente.</p>